Geografia da Saúde e o destino de nossas Cidades

by Felipe Seabra 0 Comments

por Prof. Dr. Abimael Cereda Junior,
Líder de Ciência & Pesquisa - Imagem

Explicações e distribuição de fenômenos levam à discussão crítica para muito além da leitura vertical que se possa fazer sobre causa-efeito da localização dos criadouros de Aedes aegypti…

Já presente em diversos portais, versões digitais de jornais, redes sociais e até apps colaborativos, os “Mapas da Dengue”, “Infográfico do Zika Vírus”, etc., não seriam exemplos reais do que está sendo discutido? Não.

A maioria deles ainda possui a função de representação gráfica do fato; e quando há preocupação com a Cartografia Temática, deve ser parabenizada, visto que grande parte segue wizards para geração de mapas; alguns gestores e formadores de opinião o utilizam como referência!

Nesta visão estamos tratando da denúncia e apresentação gráfica de problemas e/ou fenômenos. Somente a observação do problema não é suficiente para mudarmos o destino de nossas cidades. A Inteligência Geográfica, ou seja, a integração entre a Geografia e Tecnologias, nos leva para outras dimensões, incluindo o espacializar, mas também trazendo a integração de dados e modelagem.

 * O Geógrafo Abimael Cereda Junior, é especialista em Geoprocessamento e Mestre e Doutor em Engenharia Urbana, tem como área de pesquisa e atuação a incorporação da Inteligência Geográfica nos processos de planejamento e gestão público e privado, bem como o desenvolvimento e aplicação de métodos e técnicas para análise espacial de dados geográficos, para além das Smart Cities e Smart Farming.

Capa 66 Geografia Conhecimento Prático

BAIXE O ARQUIVO COMPLETO - Geografia da Saúde: um “mapa das doenças” do Dr. John Snow à Dengue e ao Zika Vírus.

 

Leave a reply