Um dos grandes desafios do setor sucroenergético nas próximas safras será lidar com a ociosidade industrial aliada aos crescentes custos operacionais envolvidos, principalmente, àqueles relacionados ao fornecimento de cana. Segundo a Unica e a RPA, a moagem de cana vem caindo desde o ano de 2015, onde atingiu 617,7 milhões de toneladas no Centro-Sul e agora se projeta para alcançar apenas 560 milhões de toneladas entre 2018 e 2019.

As perspectivas para o mercado sucroenergético

A política adotada com relação aos biocombustíveis nos últimos anos, a degradação do canavial devido ao baixo investimento ou mesmo as variações climáticas que atingiram as últimas safras do Centro-sul, impactaram de forma negativa grande parte das usinas. A consequência disso foram mais de 90 delas fecharam suas portas nos últimos 6 anos e dezenas estão em processo de recuperação judicial.

Felizmente, esse quadro tem se transformado, principalmente, pela produção de grãos e demais culturas. Além disso, temos novas e boas perspectivas para o mercado sucroenergético visto o cenário econômico global e também importantes movimentações como o RenovaBIO que prevê a comercialização de créditos de carbono e mudanças na política de uso do biocombustível.

As empresas de sucesso desenvolvem
a melhoria de seus relacionamentos

Mas independentemente do que se passa no cenário político e econômico local ou global, uma das habilidades mais desenvolvidas nas empresas de sucesso tem sido a capacidade de gerenciar e melhorar seus relacionamentos, tanto com fornecedores como com clientes diretos e indiretos.

Essa capacidade, que antigamente era muito próxima e pessoal, foi transformada nos últimos anos devido às aquisições e formações dos grandes grupos. Para organizações de todos os portes a questão do relacionado sempre foi e é determinante para o bom andamento das operações. Quando falamos de relacionamento, falamos de pessoas, sentimentos, percepções e visões. E se conseguirmos de alguma forma prever, projetar, aperfeiçoar esses relacionamentos a medida que caminhamos?

Relacionamento é a chave

Uma das atividades que consome grande parte da energia das empresas do agronegócio brasileiro é a consolidação de suas estratégias através da melhor gestão de fornecedores. A complexidade da cadeia do agronegócio, aliada a quantidade de fornecedores e competitividade por áreas agrícolas, torna cada vez mais importante gerenciar o relacionamento e fidelizar seus produtores para garantir que as usinas continuem com um alto volume de moagem e possibilitem o crescimento no mercado.

É preciso investir em ferramentas que permitam entender a melhor forma de interagir com seus fornecedores e clientes para construir uma relação de confiança e perenidade, o que traz vantagens tanto para o comprador quanto ao proprietário das áreas, que fornece à produção uma segurança maior na construção de contratos mais sólidos e que gerem retorno para ambos.

Tornando os processos mais eficientes

Com as informações adequadas em mãos as equipes que trabalham nas áreas de originação e prospecção de áreas passam a ter visibilidade da terra que estão disputando, entendendo a competição com outras culturas ou mesmo com outras usinas, o que garante uma negociação mais assertiva e rápida tornando o processo mais eficiente.

Enfrentar o desafio da falta de disponibilidade de dados confiáveis durante as atividades de campo, e ter acesso ao perfil e às demandas dos fornecedores no momento da negociação, se torna possível com a transformação digital do agronegócio brasileiro. Atualmente já é possível acessar seu universo de dados e atuar sem as barreiras que até ontem estavam no caminho das empresas agrícolas em prospectar novas áreas.

Com essa nova capacidade de gerenciar é possível monitorar e entender qual a melhor área para um novo contrato, qual a área mais viável, desde o ponto de vista logístico até no aumento da satisfação dos fazendeiros, e se relacionar cada vez mais e com mais confiança. A busca por maior volume de moagem, crescimento e utilização da capacidade ideal de cada usina se torna cada vez mais um horizonte que pode ser alcançado.