Imagem participa de evento na Empresa de Pesquisa Energética (EPE)

Dentre os integrantes da mesa de discussão do evento Zoneamento Nacional dos Recursos de Óleo e Gás na EPE, estavam presentes membros da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), da Agência Nacional de Petróleo (ANP), da Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA), do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) e do Ministério de Minas e Energia (MME).

Zoneamento Nacional dos Recursos de Óleo e Gás

O que é e qual o objetivo do Zoneamento Nacional dos Recursos de Óleo e Gás?

O Zoneamento Nacional dos Recursos de Óleo e Gás é atualizado a cada dois anos e a edição 2017 ocorreu no dia 14 de dezembro na cidade do Rio de Janeiro e contou com a participação de diferentes instituições como a Agência Nacional de Petróleo (ANP), a Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA), o Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP) e o Ministério de Minas e Energia (MME). O principal objetivo é reduzir as assimetrias entre as pesquisas realizadas e os leilões, fornecendo as informações de forma organizada para livre acesso a informação.

As perspectivas para o próximo o ano e os desafios a enfrentar.

Neste relatório, foram analisadas 68 bacias, das quais 40 são potencialmente efetivas, onde foram incorporados dados da ANP com as novas descobertas, campos novos e devolução de blocos, produzindo mapas com indicadores de importância para informações como: características geológicas e importância petrolífera da área, infraestrutura para abastecimento e escoamento, áreas com atividade exploratória, de produção e os locais onde há maior necessidade de investimentos em pesquisa.

A versão atualizada, conta ainda com o mapeamento das áreas previstas para as rodadas de licitação já agendadas até o ano de 2019, por meio da caracterização das unidades produtivas com estimativa de volume recuperável final de recursos não descobertos, além de um apontamento das áreas potenciais para serem ofertadas posteriormente.

Esse zoneamento promove uma maior proximidade dos órgãos governamentais com as necessidades do mercado e estabelece novos marcos para alocação de energia, para redução de custos, para estimular uma maior competitividade no mercado e para gerar novas oportunidades no país.

Vale destacar nesse contexto, que o ano de 2017 foi um ano de mudanças na política para atração de novos investimentos no setor, com a aprovação de vários projetos.

Apesar disso, há ainda problemas com os licenciamentos ambientais para requerimento das áreas, já que há confronto direto com a política nacional de aumento das Unidades de Conservação no país, instituída pelo Ministério do Meio Ambiente. Nesse sentido, é possível o engajamento dos dois objetivos para definição das melhores áreas para requisição, sendo necessário qualificar cada vez mais as lideranças do governo para possibilitar o aumento da interlocução e para tornar o país cada vez mais competitivo.

O livre acesso a informação pública é fundamental para o reposicionamento do setor!

A projeção para o ano 2018, ano de eleições, é que é necessário um reposicionamento das indústrias frente à sociedade para fornecer energia com o melhor custo ambiental possível. Portanto, este relatório promove a organização da informação e é fundamental para a indústria e o âmbito público realizarem as melhores projeções de futuro, servindo de instrumento para o planejamento energético, ordenamento territorial e para possibilitar a consolidação do país enquanto produtor de Petróleo e Gás Natural.

Todas as informações relativas ao Zoneamento Nacional dos Recursos de Óleo e Gás atualizado estão disponíveis aqui. Confira também os dados disponibilizados no site do EPE, com a ferramenta que permite aos usuários realizarem consultas, medições, visualizações e zooms a partir de uma base de dados georreferenciados, que são utilizados nos estudos do planejamento do setor energético nacional.

Assista o vídeo abaixo do lançamento do sistema na EPE