O setor da Silvicultura no Brasil vem acumulando resultados positivos. Em 2018, conforme os dados do Ministério da Agricultura, as exportações desse setor de papel, celulose e madeira somaram US$ 14,2 bilhões, 23% mais do que em 2017.

De outubro a dezembro, os chineses adquiriram 1,7 milhão de toneladas de celulose no Brasil, 38% a mais comparado ao mesmo período de 2017, sendo a China considerada o principal cliente do Brasil atualmente.

Os desafios da competitividade na Silvicultura brasileira

A conjuntura econômica externa não será tão favorável ao Brasil como vinha sendo, além de o país ter de concorrer com a oferta de produto de novos projetos externos que iniciam operação.

A economia dos Estados Unidos poderá entrar em recessão a partir do fim deste ano, e a da China deverá ter um ritmo menor de evolução.

Outro aspecto bastante importante para o setor de Silvicultura é a alta dos preços dos insumos pressionados pela alta do dólar, podendo impactar nos custos e nas operações agroflorestais.

O cenário mundial de defensivos ainda aponta sustentação de alta nos preços de inseticidas em 2019, causado por menor produção da China, pela matéria-prima importada mais cara e por estoques nacionais mais enxutos.

O dólar também pode ser desfavorável nesta safra, pelo menos até o momento, em que a possível reforma da previdência mantém a previsão do Banco Central do Brasil em R$ 3,85/US$ para junho.


Fique por dentro de todas as novidades do Portal GEO. Faça grátis sua inscrição!

Veja também:

Saiba como utilizar aplicações de imagens do ArcGIS na agricultura

ArcGIS QuickCapture: Conheça o novo aplicativo de campo da Esri

Survey123 ajudando a manter a água potável em segurança

Usando mapas 3D para otimizar o desenvolvimento urbano


Além de toda complexidade das operações, o produtor tem que ficar atento ao mercado internacional, pois a relevância da alta do dólar impacta na negociação com os defensivos e fertilizantes, portanto gerenciar as operações e mapear sua efetividade se faz necessário para garantir a competitividade no mercado diante de momentos não favoráveis.

Já pensou se existisse um sistema capaz de auxiliá-lo com as recomendações agronômicas, tais como correções de solo (aplicações de calcário e gesso) também durante a fertilização (aplicações de NPK) utilizando das boas práticas agronômicas em aplicações variáveis, sendo possível gerar mapas de aplicação e saturação por ambiente de produção?

É possível unir tecnologias nas operações de campo através agricultura de precisão utilizando o Sistema de Recomendações Agronômicas, uma tecnologia que possibilita o agricultor obter ganhos de produtividade e reduzir custos com a aplicação de insumos e suas operações.

O objetivo do Sistema de Recomendações Agronômica em conjunto com o Sistema de Informação Geográfica (GIS) da Imagem/Esri é garantir que o fluxo de trabalho desde o planejamento, controle e execução seja realizado com agilidade, segurança e transparência. Podendo otimizar recursos financeiros, temporais e humanos, além de ganhos de produtividade.

É uma solução integradora, rastreável, ágil e simples de utilizar, que abrange desde o planejamento de amostragem de solo até a medição da qualidade de pós-aplicação.

Conheça um pouco mais do Sistema de Recomendações Agronômica aqui.


Você gostou desse artigo?

O Portal GEO está sempre trabalhando para trazer novidades, tendências e o que há de melhor em dicas do universo GIS. Clique abaixo e faça sua inscrição gratuita para receber com comodidade todos os nossos artigos, que tenho certeza, vão te apoiar em seu cotidiano profissional e pessoal, te deixando sempre bem informado: