A consolidação que o setor Agrícola vem passando, impulsionada principalmente pela atuação de alguns fundos de private equity e investidores estratégicos, juntamente com o equilíbrio de portfólios dos diferentes fabricantes de insumos agrícolas no mercado, tem feito com o que o distribuidor tenha que se preocupar, cada vez mais, com a eficiência operacional e financeira do negócio, trabalhando estes critérios como fontes de vantagem competitivas, sob o risco de não conseguir competir neste ambiente concorrencial cada vez mais dinâmico.

Além disso, o cenário econômico atual, está fazendo com que diversos agentes do mercado de capitais queiram se aproximar do agronegócio, muitas vezes participando de operações estruturadas junto a distribuidores e esta aproximação tem permitido novas estruturas de captação por parte dos distribuidores, de maneira a ganhar competitividade e sustentação de seus resultados.

Esta mudança tem ocorrido quando o distribuidor de insumo começa a se preparar para buscar fontes alternativas de captação de recursos, com o objetivo de ter maior independência financeira, liberação de garantias, ganhos financeiros e ganhos comerciais, através das negociações “a vista” que realizam junto aos fornecedores.

Para estar engajado a participar deste processo de mudança no modelo de negócio, e nas estratégias centrais, os distribuidores precisam se preparar, melhorar suas estruturas de controles, seu modelo de concessão de crédito, qualidade dos recebíveis e qualidade das garantias, bem como algum tipo de mudança cultural.

Vale destacar que as tecnologias vêm evoluindo e cada vez mais, vemos um processo de digitalização acontecendo no Agronegócio e as ferramentas digitais já fazem parte das discussões de boa parte dos distribuidores.

Extrapolando a visão comercial dos distribuidores, com a possibilidade de avançar no processo de digitalização, visando melhorias na gestão e controle na concessão de crédito, as operações devem levar as empresas do setor novas possibilidades e estruturas de captação.

É importante que os distribuidores possam avançar no processo de digitalização financeira de seu negócio, trabalhando os seguintes aspectos:

  • Avançar para a digitalização da esteira do crédito agrícola;
  • Realizar o monitoramento do ciclo de desenvolvimento das lavouras – mitigar riscos;
  • Aplicar um modelo de concessão de crédito Estruturado e Sistematizado;
  • Mitigar riscos reputacionais – Engajar as chamadas Finanças verdes – Compliance Socioambiental – ESG.

Com o nosso sistema Lyra, que atende as principais empresas do agro do mundo na mitigação dos riscos envolvidos nas operações de financiamento do agro com: compliance socioambiental, diagnóstico socioambiental e de histórico agrícola, monitoramento agroclimático e socioambiental, você tem em mãos funcionalidades e tecnologia, que permitem segurança no momento da avaliar o agente demandante de crédito vinculado ao território financiado.

Quer conhecer o Sistema Lyra para o seu modelo de negócio? Basta preencher o formulário abaixo, assim você receberá o contato de um dos especialistas da Imagem!



Fique por dentro de todas as novidades do Portal GEO. Faça grátis sua inscrição!

Você também pode gostar:

Como a inteligência geográfica pode apoiar na Gestão de Barragens de Rejeito

Tecnologia GIS como aliada diante de um cenário de prevenção de impactos das mudanças climáticas


Você gostou desse artigo?

O Portal GEO está sempre trabalhando para trazer novidades, tendências e o que há de melhor em dicas do universo GIS. Clique abaixo e faça sua inscrição gratuita para receber com comodidade todos os nossos artigos, que tenho certeza, vão te apoiar em seu cotidiano profissional e pessoal, te deixando sempre bem informado: