Neste artigo você vai conferir tudo sobre IoT (Internet of Things) e quais são os benefícios de estabelecer uma plataforma sólida, trabalhando com sua real capacidade.

iot - internet of things

Empresas mais competitivas, governos mais inteligentes e pessoas mais empoderadas pela informação serão aquelas que souberem extrair, da gigantesca quantidade de dados produzidos atualmente, percepções que suportem ações eficazes no menor espaço de tempo possível, coletando dados, processando análises e agindo praticamente em tempo real ou minimamente antes e com mais assertividade do que as ações de seus pares ou desafios.

Para isto é necessário endereçar o problema do Big Data, que vamos definir inicialmente como a condição de se ter mais dados do que se pode processar a tempo para a tomada de uma ação necessária.

IoT – A Internet das Coisas

Um sistema composto por uma grande quantidade de dispositivos de Internet das Coisas (IoT, do inglês Internet of Things), equipados com uma diversidade de sensores, coletando informações em grandes taxas encaixa-se no conceito dos 3 Vs do Big Data: dados com grande Variedade, Volume e Velocidade.

A quantidade de dados produzidos pela Internet das Coisas potencializa o problema do Big Data, principalmente na medida que a infraestrutura necessária para a disseminação e conexão na Internet de dispositivos e seus sensores seja implantada e expandida permitindo a multiplicação destes dispositivos.

Questões como legislação sobre a privacidade em relação aos dados gerados por dispositivos de IoT, governança destes dados nas empresas que provêm serviços e cibersegurança destes dispositivos, também possuem o efeito de reduzir a taxa potencial de propagação da IoT, no entanto com menos efeito que o limite imposto pela falta de infraestrutura de comunicação e conectividade adequada.

Equacionada a questão de conectividade de comunicação dos dados gerados pela IoT e as questões de cibersegurança, privacidade de governança, o fluxo de milhões de informações por segundo será despejado nos sistemas de Analytics.

Se esses sistemas não forem capazes de realizar a ingestão destas informações e processar estes dados, todo este potencial e riqueza de informações que suportam os objetivos dos negócio estará perdido ou subutilizado.

Isso acaba gerando ações menos eficientes e menos eficazes, empresas menos competitivas, governos menos inteligentes e pessoas menos empoderadas, desperdiçando o investimento em infraestrutura e os esforços em normas e políticas de privacidade, governança e cibersegurança.

Felizmente as arquiteturas de soluções que suportam ingestão, processamento e análise em lote e tempo quase real (NRT, do inglês Near Real Time), estão disponíveis, maduras e suportadas por empresas do mercado. Muitas das ferramentas que compõem estas arquiteturas foram desenvolvidas por grandes empresas como Twitter, Google, Facebook para resolver seus próprios problemas de Big Data e posteriormente tiveram seus códigos abertos para uso público.

Estas soluções são comumente baseadas na Arquitetura Lambda, que é definida por uma arquitetura robusta com tolerância à falhas, capaz de servir uma grande variedade de cargas de trabalho distribuídos onde casos de uso nos quais operações de leituras (consultas) e escrita de baixa latência são necessárias.


Fique por dentro de todas as novidades do Portal GEO. Faça grátis sua inscrição!

Veja também:

Foi lançado o novo ArcGIS 10.6.1

Insights for ArcGIS: Saiba mais sobre o app que vai fazer suas análises serem mais acessíveis e poderosas

ArcGIS Business Analyst: 4 mercados que fazem uso e se beneficiam com essa ferramenta


Os dados inseridos na Arquitetura Lambda são processados em tempo de ingestão ou posteriormente em lote. No nosso caso, à plataforma, baseada na arquitetura Lambda, que suporta a ingestão, armazenamento, análise e compartilhamento da informação denominaremos Plataforma de IoT.

Fazendo fronteira com a Plataforma de IoT estão os próprios dispositivos de IoT inseridos no ambiente externo, coletando os dados de seus estados internos e do ambiente externo que são inseridos na Plataforma de IoT. Também fazem fronteira com a Plataforma de IoT os sistemas corporativos que acessam as informações processadas, analisadas e compartilhadas pela Plataforma de IoT para perceber as informações de valor que suportam as ações de negócio.

A Plataforma de IoT é composta minimamente por processos de Ingestão, Análise em Streaming de Dados, Análise em Lote, Armazenamento e Visualização e Consulta.

Ingestão

Os processos de ingestão são responsáveis por receber os dados coletados pelos sensores dos dispositivos de IoT e prepará-los para serem coletados e usados nos processos de análises e armazenamento. Os processos de Ingestão estão na fronteira da Plataforma de IoT com o Dispositivos de IoT.

Análise de Streaming de Dados

A Análise de Streaming de Dados é realizada em tempo quase real e determinará as ações que serão tomadas imediatamente, baseada nos dados recebidos. Neste tipo de análise está o maior potencial de uso dos dados de IoT. O exemplo mais comum seria disparar uma ação imediata baseada no valor ou conjunto de valores de dados, no entanto as capacidades de processamento de Big Data em tempo real permitem agora que processos análíticos percebam tendências dos dados em tempo de recebimento deste dados e disparem ações baseadas em resultados de análises complexas em tempo quase real.

Análise de Dados em Lote

São as análises realizadas nos dados armazenados na base de dados sem a necessidade de atender a ações de tempo real. Estas análises suportam ações que podem ser tomadas no médio e longo prazo e consideram todos os dados inseridos. O processamento de Big Data, permitirá análises de maior granularidade considerando todos os dados enviados pelo Dispositivos de IoT ao invés de análises em amostras de dados.

Armazenamento de Dados

É a persistência dos dados enviados pelos Dispositivos de IoT e que suportam análises, visualizações e consultas. A camada de persistência para a Plataforma de IoT deve ter as capacidades de receber um grande volume dados e permitir a gravação destes dedos em grandes taxas de escrita.

Visualização e Consulta

Os processos de visualização e consulta são aqueles que conectam-se a sistemas corporativos legados e proveem acessos aos dados de IoT e suas análises.

Também fazem parte da Plataforma de IoT os processos que acionam e realizam a gestão dos sistemas corporativos, máquinas e até dispositivos de IoT e os processos de Orquestração das tarefas executadas na Plataforma de IoT.

Estabelecida a Plataforma de IoT, e sendo esta plataforma capaz de tratar dados com grande Volume, Variedade e Velocidade e resolver o problema do Big Data, temos a capacidade de conectar os dispositivos de IoT aos processos de decisão e ação que suportam as missões e objetivos empresariais, governamentais e pessoais, permitindo empresas mais competitivas, governos mais inteligentes e pessoas mais empoderadas pela informação gerada pela Internet das Coisas.


Você gostou desse artigo?

O Portal GEO está sempre trabalhando para trazer novidades, tendências e o que há de melhor em dicas do universo GIS. Clique abaixo e faça sua inscrição gratuita para receber com comodidade todos os nossos artigos, que tenho certeza, vão te apoiar em seu cotidiano profissional e pessoal, te deixando sempre bem informado: