Introdução

O termo Metaverso, não é algo novo no mundo da tecnologia, embora novo para uma boa parcela da população, assim como eu, só ficou conhecido após o Facebook anunciar investimentos em um novo mundo sucessor da internet.

Mas na verdade o tema foi introduzido por Neal Stephenson em 1992 em seu romance de ficção científica “Snow Crash”, onde humanos, como avatares, interagem uns com os outros e agentes de computador, os NPCs, em um espaço virtual tridimensional que funciona como um mundo real, mas que no caso como o próprio escritor mencionou que o metaverso do livro, não tem nenhum vínculo com Facebook.

E vimos essa “experimentação” em tantos filmes como Marvel e outros super-heróis, além de séries de TV, ou jogos das últimas décadas, que retratam uma pequena noção do novo mundo.

O metaverso, podemos definir, como uma proposta de expansão para as tecnologias de internet atuais, sendo assim, um futuro da internet. A ideia é fazer com que as pessoas acessem o metaverso por meio de computadores, smartphones, televisores, dispositivos em geral (oculus®) além de ter a ver a realidade aumentada (AR), realidade mista, realidade virtual (VR) e tecnologias gerais do mundo virtual como games e afins.

Mas pense, isso não é somente algo relacionado a games e jovens. Claro, você não está totalmente errado, mas haverá diversas maneiras das pessoas interagirem e consumirem conteúdo nessa nova experiência imersiva.

O ponto que quero atingir é quão rápido esses conceitos, de acordo com o desenvolvimento de hardware, software e tecnologia de rede, telecomunicações, moldam e sustentam um mundo dos negócios em breve, atividades industriais e seus estilos de vida pessoais e sociais.

Para você se situar um pouco, vou citar um exemplo, imagine você em seu quarto poder sentir como se estivesse numa praia, sentar-se em um quiosque, ter o carro que sempre sonhou, simuladores de treinamentos militares, esse é o mundo que está prestes a ser descoberto em escala.

Por outro lado, há muita tecnologia por trás para que tudo isso se sustente e funcione, a citar, a própria infraestrutura de rede como 5G recém-chegado, Big data (Giant data), leitura e captação de dados abertos como mídias sociais, fotos, câmeras de segurança e sensores para que seja possível ter capacidade de processamento para ser possível recriar um ambiente digital do mundo real.

E o GIS está entre as principais tecnologias fundamentais, para ajudar na construção desse mundo, assim como é na vida real, a conotação geográfica faz parte de 99% do dia a dia de uma pessoa (location based), o principal contexto de uso do GIS é tornar uma experiência imersiva do mundo real neste metaverso, portanto, diversas empresas vem utilizando diferentes modelos de dados 3D, terrenos, imagens, nuvens de pontos, sensores, superfícies de cidades entre outros, tudo relacionado a localização, para que seja possível recriar um gêmeo digital do mundo real, utilizando os conceitos de camadas sobre camadas do mundo GIS.

Já vivenciamos diversas experiências de uso de Realidade aumentada e realidade virtual seja nos games (exemplo: Pokémon Go), no mundo da engenharia e arquitetura (utilizando de óculos, GIS e BIM para simulação dos ambientes planejados indoor) entre outros, agora com o próximo passo dessa tecnologia toda misturada, o metaverso. Na última NRF (Retail Big show, maior evento de varejo do mundo) realizado em Nova York semana passada, ficou claro que as principais tendências e desafios do varejo continuará ser a exploração de tecnologia, digitalização e comportamento de consumidor, porém, um novo comportamento aponta para cada vez mais a proximidade do METAVERSO no varejo.

As empresas varejistas estão apostando com tudo, pois o futuro do conceito de consumir (possuir posse de algo, ostentar) é a tal “posse virtual” (idem a games, porém, itens reais) através de outras tecnologias como NFT’s (Non-Fungible Token), porque criar lojas virtuais no metaverso, contendo itens colecionáveis, personalizados e raros tem girado bilhões de dólares no mundo inteiro.

O volume total de vendas de NFTs chegou a US$ 12 bilhões, equivalente a R$ 66,9 bilhões, no ano de 2021 refletindo um novo modelo de consumo, tornando itens extremamente desejáveis, possíveis de compra onde a ideia é: já que não tenho na vida real, nesse novo universo posso ter! como por exemplo uma arte famosa, ou uma mansão em Beverly hills ou Calabasas, itens e artigos de luxo como Balenciaga, Burberry, Lamborghini, tem causado um frenesi nos jovens, atletas, empresários e visionários, movimentando muito dinheiro e impulsionando novos negócios, afinal, se por lá, são feitos de avatares, eles também precisam usar roupa, ter um estilo de vida, residência etc.

Em falar em dinheiro, a tendência é que nesse universo a tendência é que a moeda oficial seja a crypto moeda, incorporando ainda mais serviços financeiros ao dia a dia do varejo. Não se trata apenas de uma onda hype do momento, trata-se sim da aceleração da digitalização do mundo ocasionado pela pandemia, que trouxe para a realidade atual, em função de algumas necessidades, inovações que eram tendência para alguns anos à frente já começam ser vistas agora.

Conforme afirmado em forbes.com, neste último natal os NFTs foram opções de presentes, provando que o varejo já está se reinventando para novas formas de consumo.

Além de marcas, artistas plásticos, visionários, empresas imobiliárias e de arquitetura, os atletas e os músicos e até os militares americanos também estão investindo pesado no metaverso e NFTs, como por exemplo: Michael Jordan, Serena Williams, Odell Beckham Jr, Neymar Jr e músicos como Justin Bieber, Travis Scott, Ariana Grande entre outros pois a lista é enorme, comprovando que não é só uma onda e sim uma revolução dos negócios.

E o papel do GIS vejo como essencial conforme disse anteriormente, assim como Jack Dangermond, co-fundador Esri mencionou em uma entrevista, “o GIS é um sistema nervoso inteligente para o planeta.

Ele tem serve como um sistema de registro, um sistema de engajamento e um sistema de insights, para capturar dados do mundo real, compartilhar entre pessoas e encontrar tendências e padrões para entendermos melhor o mundo e nos prepararmos melhor para ações.

Com a ajuda de diferentes tipos de integração de sistemas, esses mapas estão ganhando vida, trazendo o Real-Time, Iot e alavancando IA e ML para apoiar as diversas decisões de diferentes situações específicas de forma e rápida”.

E é assim que eu vejo o uso e a importância do GIS nessa tendência de metaverso, sendo o verdadeiro gêmeo digital do mundo real, onde os humanos do Universo participam e interagem virtualmente dentro dele, através de coordenadas xyz do mundo real e xyz do metaverso, para que possamos fazer coisas que só podíamos fazer pessoalmente no mundo físico, também no metaverso.

Em breve volto aqui, para trazer mais novidades sobre o tema, já que estamos apenas engatinhando com o tema e já temos bilhões de dólares transacionados nesse novo mundo digital.

Quer aprimorar ainda mais seu conhecimento no sistema?
Assista ao Webinar: Atualizações do Sistema ArcGIS 2021

Você também pode gostar:

ArcGIS para gerenciamento e acompanhamento de manutenção e inspeção de Obra em Minério

Estudo sobre o rompimento de barragem em Mato Grosso

Você gostou desse artigo?

O Portal GEO está sempre trabalhando para trazer novidades, tendências e o que há de melhor em dicas do universo GIS. Clique abaixo e faça sua inscrição gratuita para receber com comodidade todos os nossos artigos, que tenho certeza, vão te apoiar em seu cotidiano profissional e pessoal, te deixando sempre bem informado: