A maioria dos cartógrafos são propensos a um pouco de exagero. Mas isso não é algo ruim. Exageros aparecem bastante nos mapas e, principalmente, em escalas menores, em que há pouco espaço para encaixar tudo em seu mapa. Então nesse tutorial você vai ter um bom incentivo para que a partir de agora você exagere nos seus mapas sem medo.

Aquele símbolo de rodovia bem enquadrado? Exagerado em largura para que você possa, de fato, vê-lo no mapa. Aquela cabeceira de estuário? Uma abertura exagerada para que não pareça uma lagoa na costa. Aqueles símbolos de construções? Maiores do que precisam ser para mostrar monumentos famosos.

Se os cartógrafos não exagerassem, muitas vezes, você teria dificuldades para ver características, avaliar sua importância em relação a outros detalhes do mapa ou ver clareza em sua relação a outras características. O exagero é parte fundamental do kit de ferramentas de generalização dos criadores de mapas, embora você possa nunca notá-lo ao olhar um mapa. Esta é a roda de generalização feita por Wes Jones. Ela mostra como o exagero se enquadra.

Exagere nos seus mapas - imagem 1

Outro grande uso do exagero é quando o aplicamos aos dados de elevação. Honestamente, o planeta em que vivemos é, na verdade, bastante plano. Isso pode parecer algo absurdo, considerando-se que o Monte Everest tem quase 9 mil metros acima do nível do mar e a Fossa das Marianas tem quase 11 mil metros de profundidade.

Esses são números muito grandes, mas quando dimensionamos e pensamos em como eles seriam exibidos em, digamos, um globo de mesa padrão com um diâmetro de cerca de 30 cm, você ficaria surpreso com o resultado. O Monte Everest pareceria uma pequena verruga de, no máximo, 0,2 mm. Isso equivale à espessura de uma folha de papel dobrada duas vezes. A Fossa das Marianas seria um arranhão com quase a mesma dimensão.

Então, quando você olha um globo de mesa, muitas vezes, descobre que ele tem um relevo exagerado para que possamos ver e sentir cordilheiras de montanhas, ou batimetria exagerada para que possamos ver a topografia do fundo do mar. Isso ajuda a esclarecer as diferenças entre trechos de terra realmente planos e onde estão as cordilheiras de montanhas e fossas oceânicas da Terra. Então, se estivermos criando globos virtuais para a Internet, também poderemos usar um pouco de exagero.

Vou mostrar para você dois globos virtuais, um da Terra e um de Marte. O globo da Terra foi usado para mostrar as camadas temáticas que descrevem o risco do aumento do nível do mar em nossas linhas costeiras e massas de terra.

O globo de Marte mostrava as características físicas da superfície do planeta vermelho: abismos, fossas, crateras e montanhas. Ao trabalhar no GIS, muitas vezes, há um foco em precisão e exatidão. Lidamos com a certeza da posição e da localização e, portanto, eu poderia ter simplesmente publicado meus globos virtuais usando modelos de elevação dimensionados conforme a realidade.

Porém, quando você abrisse o globo virtual em seu navegador, veria uma superfície bastante plana. As verrugas e os arranhões são imperceptíveis, e isso resulta em um mapa de aparência bem entediante.

Mas como exagerar sua elevação no ArcGIS? Existem duas formas de fazer isso, que atendem a necessidades diferentes.

Você irá trabalhar no ArcGIS Pro, certo? (caso contrário… experimente-o. Seus mapas e globos virtuais agradecerão). Você abrirá um Global Scene e trabalhará com seus dados dispostos sobre a elevação padrão da Terra.

Esta é uma exibição do Global Scene com os conjuntos de dados básicos que foi usado para criar o globo virtual de “Aumento do nível do mar”. Foi usado o Esri World Ocean Basemap porque isso faz sentido para esse mapa. Também há uma camada de polígonos de massa terrestre, portanto, posso dispô-los para mascarar os detalhes de terra do mapa básico. Foi configurado para que tivesse a cor cinza. E, depois, os dados do local de monitoramento do nível do mar e da linha costeira que eu, eventualmente, usaria para criar o conteúdo temático.

Exagere nos seus mapas - imagem 2

Mas veja como tudo está plano. Qualquer ação que eu realize no conteúdo temático é quase insignificante porque o globo é muito plano e nada interessante. O problema se torna ainda mais proeminente quando aumentamos o zoom em uma área que sabemos que tem variações significativas. Assim, esta é uma exibição mais próxima da Fossa das Marianas vista da costa do Japão.

Exagere nos seus mapas - imagem 3

Ela precisa de exagero!

Então, a primeira tarefa é usar uma superfície de elevação que lide batimetria. Os dados padrão do World Elevation Terrain 3D cobrem somente o que está acima do solo. Mas é possível simplesmente adicionar a superfície de elevação TopoBathy3D a partir do Living Atlas e usá-la como sua superfície de elevação. E a forma mais simples de criar um relevo exagerado é alterar as configurações Vertical Exaggeration na guia Elevation Surface Appearance.

É tudo uma questão de experimentação. Aqui, foi usado um exagero de 20 vezes. Veja como ficou… muito mais atrativo visualmente.

Exagere nos seus mapas - imagem 4

E é só isso que você precisará fazer se for apenas manter seu trabalho no ArcGIS Pro.


Fique por dentro de todas as novidades do Portal GEO. Faça grátis sua inscrição!

Veja também:

10 ações essenciais para ser um líder de GIS

O surgimento de uma nuvem geoespacial

Geocodificação e roteamento mais precisos com o StreetMap Premium

Construa um mapa de calor em 5 minutos


Mas você não fará só isso, não é?

Você quer compartilhar esse globo maravilhoso com o resto do mundo e, para isso, você o publicará como uma Web Scene no ArcGIS Online.

É aqui que você precisa se esforçar um pouco para permitir que as superfícies de elevação exageradas personalizadas funcionem no ArcGIS Online. Embora a configuração x20 feita em Elevation Surface Appearance funcione bem no ArcGIS Pro, você precisa integrar o exagero vertical aos seus dados de elevação para usar um superfície de elevação exagerada personalizada no ArcGIS Online. Não é difícil.

A primeira etapa é adquirir o Digital Elevation Model (DEM) bruto que você deseja usar como uma superfície de elevação. Neste mapa, ele é o SRTM 30m bathymetric DEM. Trata-se de uma grade rasterizada, em que cada célula representa a elevação (ou, neste caso, a batimetria). Para criar uma versão exagerada, abra o Raster Calculator, use os dados do seu DEM bruto como entrada e especifique seu exagero vertical como um múltiplo dos valores dos dados brutos — aqui “srtm30.tif” * 20.

Exagere nos seus mapas - imagem 5

Você irá gerar uma nova rasterização com valores de elevação atualizados e, então, simplesmente os definirá como uma superfície de elevação para seu mapa. Então, ao publicar seu Global Scene do ArcGIS Pro no ArcGIS Online, sua superfície de elevação personalizada será transmitida com ele e será usada na Web Scene.

E este é o produto final em uma Web Scene do ArcGIS Online, publicado usando o Web Appbuilder para oferecer uma interface com o usuário simples e descomplicada e todos os recursos úteis comuns para definir controles de camadas, painéis de informações, botões de compartilhamento, visão panorâmica e aumento/diminuição de zoom, etc. (acesse o modo tela cheia para obter o efeito como um todo).

E, assim como em qualquer outro processo de cartografia, se você descobrir um truque legal, use-o novamente!

A superfície de Marte tem estruturas fenomenais. O Monte Olimpo, por exemplo, tem uma altura equivalente a 5 vezes à do Monte Everest. Então, nesse globo virtual, foi usado exatamente a mesma abordagem para criar uma nova superfície de elevação com um DEM verticalmente exagerado que multiplicou os valores de elevação brutos por um fator de x10.

Esse valor é alto o suficiente para criar interesse visual, mas não alto demais para não criar uma esfera bizarra e pontuda suspensa no espaço (mais uma vez, use o modo de tela cheia!).

Da próxima vez que criar um mapa, experimente exagerar um pouco. Pode fazer uma enorme diferença.

Divirta-se com a criação de mapas!


Você gostou desse artigo?

O Portal GEO está sempre trabalhando para trazer novidades, tendências e o que há de melhor em dicas do universo GIS. Clique abaixo e faça sua inscrição gratuita para receber com comodidade todos os nossos artigos, que tenho certeza, vão te apoiar em seu cotidiano profissional e pessoal, te deixando sempre bem informado: