Dica do editor: EBOOK: Desafio do Novo Marco
Regulatório de Saneamento
Base de Ativos Regulatórios.

* EBOOK “Desafio do Novo Marco
Regulatório de Saneamento: “Base de Ativos Regulatórios”. Clique aqui e acesse agora mesmo!

Alguns desafios relacionados a Gestão de Ativos para regulação tarifária são novos para o setor de saneamento, mas já muito conhecidos do setor elétrico. 

A construção da regulação no setor elétrico se deu com muita fundamentação, foram diversos anos e investimentos para criá-la e a Agência Reguladora tem buscado a sua evolução, seja em termos de aprimoramento das regras inicialmente estabelecidas, ou no aumento do rigor das atividades de fiscalização. 

A partir da nossa experiência de 10 anos atuando no setor elétrico, apoiando as concessionárias de distribuição na Gestão da Base de Ativos, queremos compartilhar com vocês algumas lições aprendidas do setor elétrico para o sucesso na gestão da base de ativos regulatória. Iniciando pela estrutura de base física:

A importância da estrutura da Base Física 

O cadastro técnico das redes e seus componentes, geralmente não é centralizado, completo e pormenorizado. Os dados estão em diversos formatos, como no SIG, muitos em CAD e, ainda, algo em papel. 

As redes, na maioria das vezes, possuem bases desatualizadas, enquanto ligações e hidrômetros, por muitas vezes, não possuem um cadastro com informações técnicas, mas apenas associação dos itens no cadastro comercial, sem informações. 

É importante estruturar todas estas informações em uma base de dados única, que seja confiável, que permita a identificação, obtenção, atualização e armazenamento das informações de localização geográfica das redes e, também, equipamentos.  

É essencial que estes ativos sejam controlados e que as informações técnicas necessárias para sua valoração, localização, caracterização e avaliação sejam registradas de forma detalhada para uma eficaz gestão dos ativos. 

A base de ativos além de quantitativa também precisa ser qualitativa. 

Outra observação bastante comum, é o excesso de características técnicas previstas nos cadastros técnicos implantados mais recentemente. 

Às vezes acabam incluindo muitas informações sem a devida relevância, com um alto custo de manutenção, que acabam minando a confiabilidade do cadastro. 

* Você já viu o EBOOK “Desafio do Novo Marco
Regulatório de Saneamento: Base de Ativos Regulatórios”? Clique aqui e acesse o conteúdo!

O cadastro deve ser o mais enxuto, atualizado e o mais completo possível, de forma que tenha credibilidade não só internamente, mas junto à reguladora, reduzindo, assim, a necessidade de levantamentos de campo e maximizando o reconhecimento dos investimentos na BAR (Base de Ativos Regulatórios). 

É importante que o ajuste do GIS seja sincronizado com os atributos necessários para a Gestão Regulatória. 

Geralmente a prática é tentar vincular diretamente o cadastro físico com o cadastro patrimonial-contábil, mas nas instalações lineares e em bens de massa existem diferenças conceituais importantes que impedem que estes cadastros sejam associados de forma direta, ou seja, que cada trecho de rede do cadastro físico corresponda a um único ativo ou que cada ligação tenha um ativo correspondente. 

É essencial criar vínculos entre estas duas bases de dados, que devem ter a flexibilidade necessária para permitir que as correções do cadastro físico não gerem impacto no cadastro patrimonial contábil.

Caso contrário, cada correção de diâmetro, material ou comprimento da rede irá demandar correções na contabilidade, que podem complicar caso refiram-se a exercícios anteriores. 

Outra questão importante é que o cadastro físico e o cadastro patrimonial usualmente nascem de forma independente e nas esferas operacionais e administrativas, havendo bastante divergências.

Desta forma, além do vínculo flexível entre as bases, é necessário que seja feita a conciliação recorrente para que as alterações sejam “pari passo”.

Fique de olho nas próximas publicações. Nelas irão conter mais diversas lições aprendidas, conforme a lição acima.

Enquanto isso, clique abaixo e baixe nosso Ebook “Desafios do Novo Marco Legal de Saneamento: Base de Ativos Regulatórios”:

Licoes-Aprendidas-Parte-1-Ebook-CTA

Fique por dentro de todas as novidades do Portal GEO. Faça grátis sua inscrição!

Veja também:

Desafios, soluções e oportunidades na regulamentação do Saneamento

Como otimizar as atividades de campo em Companhias de Saneamento?

As vantagens das Utilities que usam dados em tempo real

Empresas de Saneamento usam o GIS em resposta à crise do COVID-19


Você gostou desse artigo?

O Portal GEO está sempre trabalhando para trazer novidades, tendências e o que há de melhor em dicas do universo GIS. Clique abaixo e faça sua inscrição gratuita para receber com comodidade todos os nossos artigos, que tenho certeza, vão te apoiar em seu cotidiano profissional e pessoal, te deixando sempre bem informado: