Vamos entender neste artigo, um pouco mais sobre como o Utility Network pode apoiar as indústrias de Energia Elétrica e Saneamento Básico, duas áreas em franca expansão da transformação digital no Brasil.

As empresas de utilities (serviços públicos – saneamento básico, energia elétrica, gás, telecomunicações, AEC) estão passando por uma fase de reinvenção, buscando atender a transformação digital imposta pelo mercado, para atender de forma mais eficiente seus clientes, mas este processo está envolto de uma série de desafios e oportunidades positivas.

Este processo de reinvenção leva as empresas a buscarem inovações em seu modelo de negócio e em como sua força de trabalho atua.

É neste ponto que ferramentas como o ArcGIS Utility Network, podem apoiar a transformação digital dentro das empresas do setor.

Com uma arquitetura baseada em serviços e funcionalidades capazes de suportar todo o processo de análise e operação para grandes volumes de dados, uma ferramenta como essa possui maior confiabilidade e segurança para o ambiente de trabalho, permitindo que as empresas mantenham o foco principal no que realmente importa, a qualidade no serviço prestado a seus clientes.

Utility Network aplicado nos setores elétrico e saneamento - imagem 1

Desta forma, você terá uma empresa mais focada em seu negócio, mantendo uma rede integrada com todos os requisitos operacionais estruturados e seguindo um modelo de dados padrão, podendo facilmente escalar seu parque tecnológico por utilizar uma arquitetura baseada em serviços.

É um passo enorme rumo a modernização para as empresas do setor, pois traz a linguagem da geolocalização para o dia a dia da organização, onde colaboradores de diferentes áreas passarão a se comunicar de forma integrada, utilizando a localização como referência, visualizando e monitorando seus ativos para garantir que estejam em operação para que seus clientes recebam um serviço de qualidade.

Mas em que o Utility Network pode apoiar minha empresa?

  • Apoia o processo de criação e edição de dados em um modelo elaborado para qualquer tipo de equipamento de rede.

  • Possibilita identificar como cada equipamento da rede está conectado e operando.

  • Validar como o recurso (água, gás, energia) flui pela rede.

  • Fornece uma visão operacional e dinâmica à medida que os equipamentos são configurados.

  • Analisar para identificar como a rede no mundo real será afetada na ocorrência de eventos (manutenção, sobrecarga, falhas, tempestades, etc.)

Utility Network aplicado nos setores elétrico e saneamento - imagem 2

Você pode optar por 2 formas de trabalho

Em ambientes de grande escala temos o cenário de múltiplos usuários, utilizando recursos e funcionalidades em uma arquitetura orientada a serviços oferecida pelo ArcGIS Enterprise.

Existe ainda o cenário de uso único, onde o operador utiliza funcionalidades de análise no dado aplicado em um file geodatabase.

Utility Network aplicado nos setores elétrico e saneamento - imagem 3

O operador pode realizar 3 tipos distintos de atividades utilizando Utility Network:

  1. Visualização:

    Visualizar as informações de sua rede através de diferentes tipos de mapas, oferecendo perspectivas operacionais para cada caso de estudo do operador, possibilitando visualizar diagramas lógicos e de conectividade dos equipamentos da rede apoiando seu processo de análise.

  2. Utility Network aplicado nos setores elétrico e saneamento - imagem 4

  3. Análise:

    Analisar as informações de sua rede realizando inspeção dos dados e equipamentos após a ocorrências de eventos que afetam a rede, visualizando o número de consumidores afetados e identificando as áreas mais críticas e que precisam de operações de manutenção com maior urgência.

  4. Utility Network aplicado nos setores elétrico e saneamento - imagem 5

  5. Edição:

    Editar os dados associados aos equipamentos de rede, seguindo as regras definidas no modelo de dados, para manter as informações da rede atualizadas, garantindo que o serviço continue sendo prestado aos clientes com qualidade.

  6. Utility Network aplicado nos setores elétrico e saneamento - imagem 6

Utility Network no setor elétrico

O setor elétrico busca transformação digital graças as demandas de regulação dos serviços, visando redução dos custos operacionais, prestação de serviços de qualidade e a busca por um modelo de produção de energia limpa.

No Brasil o setor é dividido em 3 grandes grupos operacionais

Geração, que são as atividades executadas pelas empresas responsáveis pela transformação de fontes primárias (energia potencial gravitacional, térmica e cinética) em eletricidade, onde para se permitir a utilização da energia pelos clientes, é então feita uma ligação das fontes geradoras, através dos sistemas de Transmissão de energia, as subestações que serão responsáveis por direcionar esta energia aos consumidores finais através dos sistemas de Distribuição.

Todo este sistema é controlado através de salas de controle, em cada etapa do sistema, para garantir que o serviço seja executado com qualidade, minimizando qualquer impacto ao consumidor final.

Utility Network aplicado nos setores elétrico e saneamento - imagem 7

No Brasil, o controle do sistema é feita através do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), e a regulação do sistema de transmissão e distribuição é feita pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), onde temos a seguinte visão operacional e planejada para o sistema.

Utility Network aplicado nos setores elétrico e saneamento - imagem 8

Agora, com a visão completa sobre o setor, podemos visualizar melhor como a implantação do Utility Network pode apoiar o processo de gestão e operação da cadeia de serviços do sistema elétrico nacional.

Em um cenário composto como este, podemos começar com a definição e implantação de uma modelagem de dados que atenda às necessidades dos órgãos de regulação, responsáveis por inspecionar os serviços e que necessitam conhecer de forma precisa todos os elementos que compõe o sistema.

Podemos partir de 6 elementos principais da rede de distribuição para iniciar a modelagem elétrica, validando a importância de cada componente para rede além de determinar todos detalhes associados a este equipamento no modelo de dados.

  1. Detalhes do Cabeamento Elétrico.

  2. Espaçamento entre Cabos.

  3. Transformador Bifásico de Distribuição.

  4. Transformador Monofásico de Distribuição.

  5. Religador Trifásico Bidirecional.

  6. Regulador de Tensão (TAP).

Você pode ainda aplicar regras e padrões específicos para um subconjunto de dados para seu modelo detalhando:

  • Grupo de Recursos.

  • Tipo de Recurso.

  • Campos.

  • Domínio de Atributos.

  • Terminais de Conexão.

  • Controlador de sub-rede.

  • Gerenciador de sub-rede.

Ao fim desta atividade, você terá seu modelo de dados definido.

Você pode acessar um passo a passo detalhado sobre este processo
CLICANDO AQUI!

Este modelo pode ser utilizado como padrão para as empresas de transmissão e distribuição, de forma a garantir que as empresas reguladoras possam checar como anda o sistema elétrico nacional, identificando melhorias e garantindo que a energia produzida seja disponibilizada para o consumidor final com qualidade e o menor impacto possível durante a ocorrência de eventos naturais, de manutenção ou falha operacional.


Fique por dentro de todas as novidades do Portal GEO. Faça grátis sua inscrição!

Você também pode gostar:

Desafio dos Indicadores em Energia Elétrica

EU Esri 2020: 100% online e grátis – INSCRIÇÕES ABERTAS!

GIS conectando o nosso mundo: evento digital foi anunciado

Estado do Paraná disponibiliza ferramenta inovadora baseada em GIS

Entendendo a plataforma ArcGIS


Utility Network no setor de saneamento básico

O setor de saneamento, devido ao marco do saneamento, trará uma corrida para que as empresas da área se estruturem para ampliar e aprimorar os serviços de prestados ao cidadão.

O setor de saneamento básico é estruturado em 3 grandes áreas de serviço

Distribuição de Água, onde as empresas devem garantir aos consumidores o recebimento de água potável para consumo.

O sistema de Coleta de Esgoto e Resíduos Sólidos é parte importante do sistema responsável por manter a qualidade sanitárias dos municípios, evitando impactos ao meio ambiente e levando qualidade de vida aos habitantes.

Temos por último o sistema de Gerenciamento de Águas Pluviais, que é o componente do sistema responsável pelo escoamento do volume de água da superfície de volta ao sistema hídrico.

Na imagem abaixo, temos uma visão ampla de todo o processo de saneamento.

Utility Network aplicado nos setores elétrico e saneamento - imagem 9

Este é um setor bem crítico em nosso país, pois temos cerca de 16% da população sem acesso à água tratada para consumo diário, e 47% da população sem coleta de esgoto.

Este esgoto não coletado é descartado de forma inadequada no meio ambiente, e muitas vezes retorna aos rios e lagos, poluindo e dificultando ainda mais o fornecimento de água para população, que sofre com impactos diretos na saúde e qualidade de vida, devido a doenças causadas pela falta de tratamento sanitário adequado e a falta de água de qualidade para o consumo.

Utility Network aplicado nos setores elétrico e saneamento - imagem 10

Este além de ser um problema de saúde, é um problema social, pois afeta diretamente a vida destas pessoas, que como mostram os indicadores acima, possuem uma renda baixa e sofrem com a falta de um recurso básico para a vida, que é o acesso a água tratada.

Mas neste ano, devido a todos os problemas agravados pela pandemia do COVID-19, onde o principal ponto para evitar o contágio é lavar as mãos com água e sabão, tendo praticamente metade da população sem acesso a este recurso, nos vimos em um cenário de risco ainda maior.

Foi então que o Marco Legal do Saneamento Básico voltou a pauta no Congresso e no Senado federal e foi aprovado, iniciando pequenos passos para que a regulação do setor ocorra de forma mais efetiva, abrindo o mercado também para empresas privadas que terão a concessão para administrar áreas e oferecer o serviço aos moradores, criando a infraestrutura necessária para prestação do serviço onde esta for escassa ou inexistente, deixando este legado para o Estado ao final de seu contrato de concessão. Com o marco, a Agência Nacional de Águas (ANA) passa a ser o órgão responsável pela regulação do setor.

Assim como no setor elétrico, a empresa responsável pela regulação pode utilizar o Utility Network, para criar um modelo de dados operacional para o sistema de saneamento, para que possa garantir a qualidade e ter visibilidade sobre os equipamentos e cobertura dos serviços oferecidos ao cidadão, apoiando o processo de regulação para o setor.

Utility Network aplicado nos setores elétrico e saneamento - imagem 11

Nesta fase deve ser feito o levantamento dos principais elementos da rede de saneamento, identificando seu impacto para operação dos serviços na rede de água e esgoto, além de detalhar todos os dados necessários para conseguir as informações para entendimento e operação.

Após a realização desta modelagem, inicia-se uma fase de estruturação das soluções que podem apoiar a execução das atividades operacionais de seu negócio, desde atividades de visualização, consulta, análise e simulação operacional, até o suporte as equipes de campo.

Aplicando tecnologias como o Utility Network, baseada em GIS, você pode avançar com seu processo de transformação digital nos setores de Elétrica ou Saneamento, trazendo maior qualidade e controle para seu cadastro de rede possibilitando o compartilhamento das informações com os órgãos de regulação responsáveis ou até mesmo levando uma resposta rápida ao consumidor final, garantindo que os serviços essenciais oferecidos ao cidadão sejam prestados com qualidade.


Você gostou desse artigo?

O Portal GEO está sempre trabalhando para trazer novidades, tendências e o que há de melhor em dicas do universo GIS. Clique abaixo e faça sua inscrição gratuita para receber com comodidade todos os nossos artigos, que tenho certeza, vão te apoiar em seu cotidiano profissional e pessoal, te deixando sempre bem informado: